Mais algumas reflexões sobre a atual situação

Completamos mais de 100 dias da descoberta e presença do invasor que se alastrou como uma pandemia, provocando pânico e pandemônio  no mundo todo!

A reclusão continua, após 4 semanas ou mais do seu início, para grande parte da população brasileira, ainda de forma discutível, contraditória e sujeita a discussões e interpretações.

Porém, parte significativa de pessoas prossegue, ainda que sob constante risco, em suas atividades. Afora o contingente da Saúde, heróis anônimos, como todos reconhecem, mas outros também estão em movimentação. São os vários prestadores de serviço à população, outros heróis, seja por necessidade ou obrigação do ofício.

Agradeço e torço para que boas entidades cuidem deles!

Algumas sondagens podemos continuar enumerando que vão se agregando ao nosso dia dia.

O papel dos órgãos públicos nunca foi tão decisivo como nesta crise sanitária, apesar de que muitos especialistas afirmam que esta é mais uma crise política que de saúde.

Cabe aos governantes articular financiamento às instituições públicas e privadas, distribuição de recursos aos mais necessitados, compra maciça de equipamentos, seja hospitalares e de outros setores, e tantas outras decisões…

Governos no mundo inteiro estão se debatendo e enfrentando essa questão de diversas maneiras, desde as mais arbitrárias, até as mais ágeis e humanistas. Sim, porque a necessidade da rapidez e da compaixão conta muito nesse momento!

Como esses governos encontram o melhor equilíbrio possível entre a economia e a vida das pessoas?? 

Essa questão tem deixado muitos governantes de cabelo em pé! Não é para menos, cada vez mais a população conclama pelo uso mais racional do dinheiro público, por ajuda a empresas para evitar demissões e por auxílio aos mais carentes. E outras tantas demandas urgentes!

Nem sempre essas reivindicações têm sido atendidas. E surgem governantes, como na Hungria, que se tornam mais autoritários, outros, com dificuldade de encontrar uma voz única, como no caso do Brasil,  E assim, uma gama de atuações, que vão de um a outro extremo. Todas confirmando a necessidade urgente de governantes assumirem a liderança na construção de um novo mundo! 

Cabe a nós, cidadãos, vigiar como os investimentos governamentais  e outras operações estão se processando. Só encontrando um canal para monitorar e  atuar de forma colaborativa é que a população pode contribuir na elaboração do novo desejado.

E notem que colaboração e elaboração provêm da origem latina lavore, trabalho.

O que sabemos até agora, é que escolhas necessitam, no mundo globalizado, serem voltadas para o coletivo, interna e externamente. Inter e intra nações!

Outras averiguações: a presidente do Todos pela Educação deu um banho de perfume e flores, esta semana, para os professores! Merecido, certo? agora, os pais podem reconhecer o enorme valor desses profissionais e a necessidade de seu contínuo aperfeiçoamento.

Ah e muito importante na narrativa dessa especialista: agora é hora de dar apoio às crianças, principalmente emocional, de fortalecer as relações familiares.  E não para ‘acelerar’ a aprendizagem. Vamos cuidar disso depois, perdas já ocorreram, vamos cuidar agora do mais urgente!

Outro destaque é a contínua e crescente confiança na ciência. Um exemplo é a criação da Rede de Pesquisa Solidária, Políticas Públicas e a Sociedade, onde a USP é o ponto inicial da Rede

https://www.linkedin.com/posts/activity-6655638509501587456-VoeG

E a  solidariedade torna-se a palavra de ordem destes tempos. Inúmeras ações surgem ao redor do mundo todo. Ainda assim, existem vozes dissonantes pondo em xeque a mudança de atitude que se faz necessária. E quanto a você, como está contribuindo?

Li outro dia a origem da palavra solidariedade: o soldo que os soldados romanos recebiam era em moedas cunhadas em ouro!

Através dos tempos perdeu-se o significado original.

Está bem na hora de resgatarmos, seja no nível global, e mesmo individual, o sentido de atribuir o valor do ouro, simbólico e real, à solidariedade!

Por: Miriam Barcellos

Publicado em: 15 de abril de 2020

Categorias: Colégio, EAD, Educação, Educação Infantil, Ensino Médio, Faculdade, Fundamental I, Fundamental II, Notícias
Tags: .