Nesta semana os estudantes do Colégio ENIAC participaram de debates sobre temas atuais de grande importância para a construção de nossa sociedade.

O Plano Nacional de Educação (PNE), de 2014, traz a redução das desigualdades e a valorização da diversidade como caminhos imprescindíveis para a equidade. Mais recente, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) trata da perspectiva de educar os jovens para respeitar a diversidade, sem discriminação ou preconceito.

Foi pensando sobre isso e segundo uma solicitação dos próprios alunos que as oitavas séries do Colégio ENIAC trabalharam o conteúdo da disciplina de história de maneira bastante diferente: realizaram debates sobre violência, o bullying, a relação interpessoal entre colegas, o preconceito racial, de gênero ou estético, conhecido como gordofobia; que os fazem refletir sobre suas vidas e seus papéis sociais.

Os alunos se mostraram muito engajados, participando ativamente das discussões, trazendo para a pauta, exemplos reais como o Massacre que aconteceu recentemente em Suzano.

O professor da disciplina, extremamente satisfeito com o resultado destas atividades, destaca que as meninas são as primeiras a participar do debate, enquanto os meninos se mostram mais ressabiados, mas com o tempo se soltam e também mostram sua voz.

Somos todos tão diferentes uns dos outros em tantos aspectos (não existem duas impressões digitais iguais) e, ao mesmo tempo, tão semelhantes: todos somos seres humanos e como tais exigimos respeito e tolerância quanto a nossa diversidade.
Ser diferente não quer dizer que o outro seja melhor ou pior; apenas que é diverso e como tal deve ser respeitado, se queremos construir uma sociedade mais justa.

Ninguém nasce preconceituoso. Essa é uma ideia que desenvolvemos na infância, principalmente por influência dos adultos que nos rodeiam. O que a criança escuta de familiares e outros adultos de referência, para ela é correto e encarado como uma verdade. Por este motivo, torna-se imprescindível a discussão sobre tais temas, esclarecendo e conscientizando os jovens sobre preconceitos e como combatê-los. 

Para garantir espaço para todos, seja na escola ou na sociedade em geral, não basta promover a inclusão através de debates e, essa atividade foi tão bem recebida que gerou dois desdobramentos interessantes: a criação de um projeto entre os alunos denominado Patrulheiros do Bem e de um canal onde qualquer estudante pode fazer uma denúncia anônima, permitindo assim que os alunos se expresse livremente, sem medo de sofrer retaliações ou qualquer tipo de discriminação. 

Nosso desejo é estar o mais próximo possível dos nossos alunos, dando voz a eles e contribuindo para a construção de um mundo mais justo e melhor.

Ana Bondioli

Por: Ana Bondioli

Publicado em: 16 de junho de 2019

Categorias: Colégio, Educação, Ensino Médio
Tags: , , , , , , .